Área Restrita

1 - AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL
O Centro Universitário Hermínio Ometto compreende a avaliação institucional, como uma atividade sistemática de observação, questionamento, interpretação e valoração da realidade, ou seja, uma relação reflexiva para com as instituições, com diferentes níveis de foco, profundidade e abrangência. Ela serve como um importante instrumento de planejamento e gestão dos cursos e da instituição como um todo, e seus relatórios lidos nesta ótica, devem manter uma estreita conexão com os valores historicamente construídos pela Instituição.

Dessa forma a avaliação, efetivamente, irá contribuir para a identificação de fragilidades e potencialidades institucionais, além de buscar, por meio da análise e discussão dos resultados, não somente a identificação de problemas, mas também sua causalidade e, principalmente, as fontes de soluções, como estratégias de desenvolvimento de uma discussão de qualidade comprometida com a melhoria contínua da Instituição.

Os resultados e as recomendações da avaliação institucional devem enfatizar a escolha de políticas, proporcionar base objetiva para o planejamento, levar ao redirecionamento da alocação de recursos, informar aos administradores; enfim, estimular esforços para o desenvolvimento da Instituição como um todo. Como seus resultados devem servir como orientação para as transformações institucionais, em um processo negociado e participativo, é fundamental sua articulação com o planejamento institucional para a qualidade das decisões. Destaca-se, portanto, a importância de instituir a avaliação como instrumento de informação, planejamento e gestão.

O processo de avaliação institucional deverá contar com a participação de toda a comunidade acadêmica e, conseqüentemente, da parceria que se estabelece, assim, entre os atores institucionais. Em linhas gerais, ela representa um conhecimento da realidade da instituição de ensino superior, a partir dos seus problemas e potencialidades acadêmicos e administrativos e deve ser conduzida no sentido de aperfeiçoamento da missão institucional com caráter pedagógico, ou seja, de estímulo ao desenvolvimento de toda a comunidade envolvida.
Comissão Própria de Avaliação - CPA
José Haroldo de Lima
2 - AVALIAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR
A Avaliação Institucional é um dos componentes do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) e está relacionada:

• À melhoria da qualidade da educação superior;
• orientação da expansão de sua oferta;
• Ao aumento permanente da sua eficácia institucional e efetividade acadêmica e social;
• Ao aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais das instituições de educação superior, por meio da valorização de sua missão pública, da promoção dos valores democráticos, do respeito à diferença e à diversidade, da afirmação da autonomia e da identidade institucional.

A Avaliação Institucional divide-se em duas modalidades:

Autoavaliação - Coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) de cada instituição e orientada pelas diretrizes e pelo roteiro da auto-avaliação institucional da CONAES.

Avaliação externa - Realizada por comissões designadas pelo Inep, a avaliação externa tem como referência os padrões de qualidade para a educação superior expressos nos instrumentos de avaliação e os relatórios das auto-avaliações. O processo de avaliação externa independente de sua abordagem e se orienta por uma visão multidimensional que busque integrar suas naturezas formativa e de regulação numa perspectiva de globalidade.

Em seu conjunto, os processos avaliativos devem constituir um sistema que permita a integração das diversas dimensões da realidade avaliada, assegurando as coerências conceitual, epistemológica e prática, bem como o alcance dos objetivos dos diversos instrumentos e modalidades.
3 - AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO
O Inep conduz todo o sistema de avaliação de cursos superiores no País, produzindo indicadores e um sistema de informações que subsidia tanto o processo de regulamentação, exercido pelo MEC, como garante transparência dos dados sobre qualidade da educação superior a toda sociedade.

Os instrumentos que subsidiam a produção de indicadores de qualidade e os processos de avaliação de cursos desenvolvidos pelo Inep são o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e as avaliações in loco realizadas pelas comissões de especialistas.

Participam do Enade alunos ingressantes e concluintes dos cursos avaliados, que fazem uma prova de formação geral e formação específica. As avaliações feitas pelas comissões de avaliadores designadas pelo Inep caracterizam-se pela visita in loco aos cursos e instituições públicas e privadas e se destinam a verificar as condições de ensino, em especial aquelas relativas ao perfil do corpo docente, as instalações físicas e a organização didático-pedagógica.

No âmbito do Sinaes e da regulação dos cursos de graduação no País, prevê-se que os cursos sejam avaliados periodicamente. Assim, os cursos de educação superior passam por três tipos de avaliação: para autorização, para reconhecimento e para renovação de reconhecimento.

Para autorização: Essa avaliação é feita quando uma instituição pede autorização ao MEC para abrir um curso. Ela é feita por dois avaliadores, sorteados entre os cadastrados no Banco Nacional de Avaliadores (BASis). Os avaliadores seguem parâmetros de um documento próprio que orienta as visitas, os instrumentos para avaliação in loco. São avaliadas as três dimensões do curso quanto à adequação ao projeto proposto: a organização didático-pedagógica; o corpo docente e técnico-administrativo e as instalações físicas.

Para reconhecimento: Quando a primeira turma do curso novo entra na segunda metade do curso, a instituição deve solicitar seu reconhecimento. É feita, então, uma segunda avaliação para verificar se foi cumprido o projeto apresentado para autorização. Essa avaliação também é feita segundo instrumento próprio, por comissão de dois avaliadores do BASis, por dois dias. São avaliados: a organização didático-pedagógica, o corpo docente, discente, técnico-administrativo e as instalações físicas.

Para renovação de reconhecimento: Essa avaliação é feita de acordo com o Ciclo do Sinaes, ou seja, a cada três anos. É calculado o Conceito Preliminar do Curso (CPC) e aqueles cursos que tiverem conceito preliminar 1 ou 2 serão avaliados in loco por dois avaliadores ao longo de dois dias. Os cursos com conceito 3 e 4 receberão visitas apenas se solicitarem.
Prêmios
  • Parcerias
  • UNIARARAS - Fundação Hermínio Ometto - Av. Dr. Maximiliano Baruto, 500 - Jd. Universitário | Araras - SP - CEP: 13607-339 - Tel: (19) 3543-1400
    © 2012 - Fundação Hermínio Ometto - CETEC - Todos os direitos reservados / © 2005-2012